16
May

pois eu gosto de lombo e feijoada,
favas e grão, e tudo o indigesto
me faz sentir um cidadão honesto
na hora prandial e bem regada

do tinto das colheitas a que presto
a vénia palatal e reiterada,
sem esquecer qualquer bacalhoada,
troixas de ovos, pudins e tudo o resto

que até pode provar-nos que algum deus
afinal sempre existe e é cá dos meus
e às vezes me aproxima do vinicius.

e pode mesmo ser que não se morra
assim da grande bouffe à tripa-forra,
e se faça um soneto a esses vícios…

Vasco Graça Moura

«Este poema (…) de certa forma ‘responde’ ao de Vinicius de Moraes que refere…» in Jornal de Letras.

(via blocodeespantamentos)